quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Patram realiza operação conjunta no Orlando Franco

Quinta-feira, 18 de janeiro de 2017

400 litros de agrotóxicos foram apreendidos
Na manhã de ontem, 17, a PATRAM - patrulha versão ambiental da Brigada Militar-Pelotas, realizou atividade de operação conjunta com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Piratini.
O objetivo era o combate aos crimes de natureza ambiental e abigeatos incidentes na região.
Em uma propriedade na localidade de Orlando Franco, os policiais constataram que pelo menos um hectare de mata nativa foi completamente suprimido ilegalmente.

Ainda nas instalações desta propriedade os agentes constataram que  uma grande quantidade de agrotóxicos era irregularmente armazenada e são classificados como produtos perigosos, condutas estas tipificadas como crime pela Lei dos Crimes Ambientais. 
Diante dos fatos o responsável pela propriedade foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil para registro Policial.
Aproximadamente 400 litros de diferentes agrotóxicos foram apreendidos e encaminhados pelo responsável a local adequado.

Assessoria de Imprensa- Patram

MP quer bancas de camelôs fora do Centro Histórico

Quinta-feira- 18 de janeiro de 2017
MP quer a retirada dos comerciantes do perímetro central
Será que desta vez sairemos e para onde iremos são duas indagações que traduzem a incerteza e acometem novamente os oito empresários que extraem sua renda das chamadas “bancas” que formam o camelódromo instalado há mais de 20 anos na Rua João de Deus Valente, no centro da 1ª Capital Farroupilha.

O Jornal Tradição Regional tomou ciência da situação na quinta-feira, 17, e passou a explorar o assunto que novamente e, pelas mesmas mãos, o Ministério Público, voltou a tramitar na justiça em novembro de 2017, conseguindo captar a tensão e o medo de alguns e de dúvidas de outros, diante da possibilidade de perder o emprego.

Entre os que entrevistamos a mais tensa com a volta, mas agora mais real da possibilidade, é Maria Garcia de Souza, 49 anos, que atua há 22 anos no local e da banca onde vende produtos diversos como eletrônicos e brinquedos retira o sustento para ela e mais seis dependentes.
- Eu vivo daqui. Não sabemos nada já que a prefeitura que é quem concede as autorizações não nos comunicou, não sei o que vou fazer – falou a comerciante.

A metros dali, Antônio Fontoura, 70 anos, 17 de camelódromo e que ganha entre mil e duzentos e mil e quinhentos reais brutos mensalmente para consertar sapatos, já pensa em parar se a Ação Cível Pública do MP for julgada procedente futuramente pela justiça.
- Não acho isso correto, pois estamos só ganhando o pão nosso de cada dia. Concordo que precisamos obedecer à justiça, mas como sei que a prefeitura não tem um local bom para nos instalar, vou desistir. - afirma ele que tem como dependentes mais três pessoas.

O que eles não sabem, é que a promotora de justiça Roseli de Azevedo Lopes, recentemente tentou junto ao juiz da comarca a extração em carácter liminar de todos em 72 horas e, isso só não ocorreu devido ao entendimento do magistrado Mauro Peil Martins, como nos contou também em entrevista o advogado Diego Ibeiro, assessor jurídico da prefeitura.
 - O MP queria que os retirássemos dali em três dias no máximo. Apresentamos nossa defesa e entendo que influenciamos para que a liminar não fosse concedida e com isso termos e darmos mais tempo para uma solução – disse Ibeiro.

Peil Martins, que indeferiu a liminar e argumentou:
- Para a concessão de medida antecipatória devem estar presentes dois requisitos, quais sejam, probabilidade do direito e o perigo de dano ou risco ao patrimônio público, o que entendo não existir, pois o mesmo não está sendo diretamente afetado como, por exemplo, descaracterizações, destruições e deteriorações –
Ele continua:
- Ademais está em jogo a fonte de renda de diversas famílias que dependem dos pontos de táxis e lojas de comércio informal para suprir seu sustento –

Peil cita os táxis porque na ação do MP também é requisitada a retirada dos mesmos e  que atualmente tem como ponto de partida as fachadas dos prédios históricos e  tombados. Neste caso, embora o jurídico da prefeitura entenda que existam no máximo três situações e que estas seriam simples de resolver, é uma questão de interpretação, pois, em frente ao chamado Hotel do seu Dudu, na Avenida Maurício Cardoso, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE), há hoje uma cobertura que abriga quatro táxis.
Mas as alterações que para muitos dependem do seu único trabalho, são um tanto radicais já que atingem também os trailers de lanches.

- A ação cita também os Trailers. Fixos nem pensar. Todos terão que ser móveis não só no centro da cidade, mas em todo o perímetro urbano, assim, para seguirem trabalhando caso haja êxito do Ministério Público, somente se ao final das atividades forem rebocados – revela Diego Ibeiro.

Em primeira mão, antes mesmo da parte, ou seja, da prefeitura ser intimada, recebemos a informação de que o juiz Mauro Peil  Martins concedeu um prazo de 45 dias para que o executivo apresente um plano de adequação ressaltando que o tema já vem sendo debatido com o Ministério Público há muito tempo.

 Transcorrido esse prazo, ele vai novamente analisar a antecipação de tutela que nada mais é que o cumprimento do que requer Ministério Público, no mínimo até a ação ser julgada. Esse prazo ainda não começou a valer, o que deve acontecer em no máximo dez dias a contar de sexta-feira, 19.


-Num curto espaço de tempo é praticamente impossível de se adequar, principalmente o camelódromo que na minha visão é a parte mais complicada de se resolver, mas, é possível que ao final dessa determinação tenhamos como apresentar um plano do que pretendemos realizar e com isso o magistrado entenda que no mínimo temos a intenção de dar solução à questão – conclui Ibeiro.
Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380

Naelrosa@nativafmpiratini.com

Contra imagens não há argumentos: ladrão confessa

Quinta-feira- 18 de janeiro de 2018
Diante das imagens larápio confessou o furto da roçadeira
Dizem que contra fatos não há argumentos, o que juridicamente falando caí se houver à frente do caso ou julgamento, um bom defensor, um causídico, a quem também chamamos de advogado.
Mas com evolução tecnológica e a necessidade das famílias que possuem condições financeiras para se protegerem da criminalidade, essa possível reversão em uma delegacia de polícia, sala de audiências ou tribunal, se torna impossível, afinal, contra imagens não há argumentos.

Foi exatamente assim que deve ter se sentido um velho conhecido das autoridades por praticar delitos da natureza furto, ao ser interrogado pelos policiais civis de Piratini, quando foi informado de que havia sido flagrado por câmeras de monitoramento roubando quando a noite do último sábado, 13, chegava.

As imagens que renderão ao ladrão um indiciamento por furto foram registradas na Rua 24 de Maio em uma residência próxima ao depósito do Supermercado Weege quando M.A.V.V, 33 anos e morador do Bairro Getúlio Vargas, entrou na garagem  da casa da vítima e subtraiu sem nenhum constrangimento já que ainda havia a presença do sol, uma roçadeira da marca Sthill, avaliada em 2 mil reais.

Ele, o ladrão, diante da prova cabal nem mesmo sequer entrou em contradição e foi logo confessando o seu ato criminoso, o que ocorreu ontem, quarta-feira, 17, no interrogatório. Policiais responsáveis pela extração da informação foram logo a seguir resgatarem o objeto na casa do autor para posteriormente e devolve-lo ao proprietário.
Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380
Naelrosa@nativafmpiratini.com



quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Caminhão volta a levar água para famílias no interior

Quarta-feira-17 de janeiro
Veículo já está realizando viagens para a zona rural 
Para a o alívio de quem reside na zona rural e está sendo castigado pela estiagem em Piratini, os estragos do caminhão tanque devido a ter virando na ERS 702 em 17 de dezembro quando transportava água para dezenas de famílias foram poucos, o que permitiu a Secretaria de Urbanismo e Serviços Públicos realizar uma ação rápida e investir cerca de R$ 1.200,00, e, vinte e três dias depois o veículo voltou a rodar.

Para-brisa, Paralamas, vetor e capô, o que é considerado quase nada diante do tombamento já que o tanque estava carregado com cinco mil litros d’água, foram as avarias do transporte doado à prefeitura pelo já extinto projeto dos Sapadores- Bombeiros.
- È o único que está nos salvando. Inclusive fui ao Corpo de Bombeiros em Pelotas requisitar ajuda emergencial neste sentido, ou seja, um transporte tanque para retomar o serviço e não obtive êxito, pois o comandante me levou até o pátio onde se encontram muitos caminhões para este fim com problemas mecânicos- relatou o prefeito em exercício Gilson Gomes, PP.

Com relação à seca que já prejudica a agricultura e fez sumir a água dos reservatórios no interior, Gomes disse que a situação é bem mais preocupante no segundo e no quinto distritos, onde em muitas residências não há o líquido nem para beber, daí, a importância e necessidade de o executivo ter agido em tempo recorde no conserto.

Ele lembrou que a preocupação permanece, pois, esse caminhão já está com a mecânica bem desgastada, o que pode provocar a paralização da distribuição novamente durante a estação mais quente do ano.

Para ter direito ao transporte do produto que custa R$  5.10,00 o metro cúbico ( mil litros) os rurais devem adquiri-lo na CORSAN e pagar uma taxa no balcão da prefeitura de R$ 3.00, 00 por quilômetro rodado.
Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380
Naelrosa@nativafmpiratini.com

Darlan é 1º lugar em SC com Vanera dos Chapeludos

Quarta-feira- 17 de janeiro de 2017
Radialista e empresário se lançou como compositor e cantor
As brincadeiras dos colegas de microfone de que ele não teve vivência campeira, portanto o vocabulário de acordo que usa uma barbaridade e a pilcha sempre impecável, mas com certos retoques urbanos eram artificiais, antecediam o primeiro abraço sinchado  dado aos ouvintes a partir das 17hs pela rádio Nativa FM quando o um sapucai, (grito gaúcho) anuncia que ele chega para mais um Raízes da Terra, um dos dois programas gauchescos da emissora.

E lá se vão 10 anos à frente da atração que já teve duas edições, a primeira indo ao ar às 06h da manhã, onde ficou por cinco anos e de onde certamente veio à influência para receber os amigos no rancho no interior, com o repertório de Gildo de Freitas e Teixeirinha para a satisfação principalmente do pai Dilon, tudo isso  para que todos saboreiem um churrasco gordo ou o que ele classifica de uma “bóia macanuda”, que nada mais é que  uma boa comida da culinária campeira sulina.

Em síntese, no tocante ao rádio, esse é Darlan Pereira, 29 anos, que rebate as brincadeiras dos amigos dizendo: “sou gaúcho do interior do Chui, onde nasci e morei até meus 15 anos e foi lá que tive um grande aprendizado e vivenciei a lida campeira”

Na Nativa desde 2004, Pereira começou a engatinhar como compositor ao dar ao grupo bageense Sonido Del Alma Gaucha, em 2007 a letra “Quando uma Tropa se Desgarra”.
De lá para cá já são 15 composições levadas para estúdio por grupos como Portal Gaúcho, Julian, Juliano & Só Vanerão, Querência, Coração Gaúcho, Roger Moraes, Grupo Estância, entre outros...

Mas no ano passado o locutor, empresário e letrista, decidiu que iria soltar a voz, assim, gravou Vanera pros Chapeludos, do compositor Paulo Queiroz. Para a satisfação de Pereira, não só na Nativa a canção ficou entre as mais tocadas do gênero, mas também na rádio Mampituba FM, e Sombrio, ambas em Santa Catarina onde é a mais executada.
 “A ideia de gravar a música com João Luiz Corrêa, Grupo Portal Gaúcho, Rodeio e Machado e Marcelo do Tchê, foi para homenagear todos os chapeludos, do sul do Brasil”, explica o agora o também cantor que para bancar o alto custo de sua primeira gravação usou das economias como produtor de eventos e valeu-se até daquele empréstimo familiar junto a mãe Arlete.

Costumes do Meu Pago, milonga de Edson Dutra, do grupo Os Serranos, entrou no repertório de Pereira e já está rodando nas rádios, mas só será oficialmente lançada em março e promete emplacar por também contar com a participação de Baitaca, Walter Moraes, Luciano Maia e Cristiano Quevedo.
- Já estou com mais duas letras prontas. “Uma reunirá mais quatro grandes nomes da música gaúcha, e a outra, com o título ”Bruto e Apaixonado" está sendo finalizanda em Goiânia com os mesmos músicos que gravaram a música “Maus Bocados” do sertanejo eterno Cristiano Araújo – revela.
Nael Rosa- redator responsável
Contato: 53-84586380
Naelrosa@nativafmpiratini.com