segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Prefeito Vilso admite erro e acaba com o oblíquo

Segunda-feira- 24 de novembro
Placa que determinava estacionamento oblíquo foi retirada nesta manhã
A primeira ação do prefeito Vilso Agnelo Gomes ao dar expediente na prefeitura na manhã desta segunda-feira, 24, foi fazer contato com o setor de trânsito e determinar que imediatamente fosse dado fim ao estacionamento oblíquo criado na Avenida Gomes Jardim e, em frente ao Instituto de Educação Ponche Verde.

Implantado em março deste ano pela Secretaria de Urbanismo e Serviços Públicos através do então secretário Miguel Porto substituído na metade da semana passada, o estacionamento nunca foi bem visto pela população, gerando muitas reclamações principalmente dos condutores que precisavam acessar o comércio naquele ponto.

Às queixas também foram percebidas pelo prefeito,que concordou com as mesmas ao falar à nossa reportagem quando disse que a tentativa foi um erro da prefeitura.
- A ideia inicial foi facilitar a vida das pessoas, mas, percebemos que não estávamos agradando a ninguém, pois no intuito de solucionar o problema de mobilidade urbana criamos um ainda maior, fazendo com que o local fosse propício a acidentes – disse o prefeito ao justificar sua decisão.

Segundo ainda Agnelo, o aumento do perigo no local se dava também pelo grande fluxo de alunos, a maioria crianças, que estudam no educandário em questão, mas, não só isso.
- Temos ali uma filial de uma grande rede de lojas que faz sua carga e descarga em frente ao estacionamento, o que dificultava ainda mais para os motoristas realizarem a manobra para retomar sua circulação na avenida – amplia.

Questionado quanto ao que estava previsto no projeto inicial, ou seja, estender às vagas de posição oblíqua ao longo de toda a Gomes Jardim, Vilso respondeu que isso está fora de cogitação.
- Não vamos fazer mais nada neste sentido sem antes contratar um profissional da área de trânsito para que tenhamos assim um estudo completo não só das vias centrais, mas, de toda a cidade para que ele seja preparada para no mínimo mais 30 anos – conclui.




domingo, 23 de novembro de 2014

Moto In Fest reúne mais de 80 irmandades em Piratini

Domingo- 23 de novembro
Mais de 80 grupos participaram da 2º edição do evento


O fim de semana em Piratini esta sendo para quem aprecia àqueles que têm como hobby ou estilo de vida viver parte da vida sobre duas rodas.
Tendo começado na sexta-feira, 21, o 2º Moto In Fest, evento promovido pela Secretaria Municipal de Cultura e Desporto do município em parceria com o grupo local Estradeiros da Capital, roubou a cena atraindo fãs e curiosos para o Centro de Eventos Erni Pereira Alves onde a estrutura para as atrações que integram esta edição foi montada.

O papel principal em festas como esta, é dividido entre às cada vez mais estilizadas e seus condutores de aparência às vezes excêntrica, ambos eternizados pelas telas de cinema como aventureiros que colocam à frente de tudo a paixão pela aventura e a liberdade.

Era tarde do sábado quando Vinicius Matoso, idealizador da festa, contabilizava quantas cidades estavam presentes ao encontro quando os ruídos dos motores somados às buzinas anunciavam que Canguçu se juntava à festa que contou com a participação de motociclistas de outras 10 cidades do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro e Uruguai.

- Com a chegada de Canguçu chegamos aos 81 grupos presentes. Mas inscritos eram mais, só que a chuva da tarde de sexta-feira e da manhã de sábado, certamente reduziu a participação, inclusive do pessoal de Porto Alegre. Mesmo assim muitos vieram e chegaram aqui encharcados – conta Matoso, que também atua na área de entretenimento da secretaria.

À noite, uma pausa no ronco das possantes para uma festa ao ar livre animada pelas bandas Alerta Verde, The Dealers e pelo cantor Jéferson Almeida.

Entre os animados, Fernando Santos, 53 anos e funcionário da Secretaria de Cultura do Estado. 
Ainda considerado um caçula das aventuras sobre duas rodas já que está há apenas um ano na atividade de lazer, ele resume como a paixão nasceu.
- Basicamente eu queria fazer algo diferente então, disse à minha esposa que compraria uma moto. Era apenas um teste, não sabia se ia gostar, mas gostei tanto que hoje esta é a minha vida nas horas de folga- conta.

Fernando ajudou à reportagem a esclarecer o motivo pelo qual quem opta por este estilo de vida não gosta de ser chamado de motoqueiro e sim, de motociclista.

-Quem deve ser apontado como um motoqueiro é basicamente quem usa a moto para exercer a profissão, enfim, roda por aí de forma individual e no dia a dia. Por outro lado, nós, motociclistas, somos uma irmandade, parceiros sem nem mesmo nos conhecermos, pois, saímos para passear, nos divertir em família e onde quer que estacionemos somos bem recebidos- encerra.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Homem descontrolado ataca veículos na avenida

Sexta-feira- 21 de novembro

Homem descontrolado deu trabalho aos policiais mesmo depois de dominado
Inicialmente não se sabe de onde ele veio, como se chama e nem mesmo que idade tem. O fato é que um homem que não estava munido nem mesmo de documentos causou um rebuliço na Avenida Maurício Cardoso, proximidades da agência Sicredi.

Sem camisa e totalmente descontrolado, ele precisou ser dominado por dois policiais que compunham a guarnição de serviço no final da tarde desta sexta-feira.

Segundo testemunhas, demonstrando estar fora de controle, ele parava em frente aos carros e ofendia os condutores chegando até mesmo a chutar a lataria de alguns dos veículos que trafegavam no sentido centro- bairro.
- Ele parou em frente a um caminhão em movimento e fez xingamentos ao motorista, mas antes, já havia feito o mesmo com vários carros de passeio – relata uma das testemunhas que requisitou anonimato.

Ao fazer o mesmo com André da Silva Bilhalve, 30 anos, o surtado provocou uma reação.
- Ele me atacou com ofensas e, quando percebi que o motorista do caminhão descia para tomar uma providência, sai do carro, dei uma gravata nele e o arrastei para o canteiro central. Com isso o trânsito foi liberado – conta André, que precisou seguir com os policiais para a Delegacia de Polícia Civil onde teve que prestar depoimento-

Com um ferimento no rosto, não se sabe o que causou a lesão, o homem deu trabalho para os policiais que precisaram o retirar da viatura diante dos repetidos gritos de que as algemas estavam o machucando.
Veja vídeo da necessária  abordagem policial.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Sinistro destrói chalé no bairro Cancelão

Quarta-feira-19 de novembro
Fogo consumiu toda a construção em madeira,mas, móveis foram retirados  por vizinhos
Um incêndio destruiu uma construção em madeira na noite da terça-feira, 18, na Rua dos Sórias, Bairro Cancelão.

Não se sabe a causa do sinistro que foi inicialmente combatido por moradores do bairro e logo após, controlado por funcionários da prefeitura que usaram o caminhão pipa destinado a distribuir água no interior do município.

Sentada em uma cadeira no meio da rua guardando todos os móveis que os vizinhos ajudaram a salvar, Cléia Benito, 35 anos, era consolada enquanto parte da casa queimava sem parar.

Ela conta que saia do chalé anexo à casa de alvenaria onde mora com o marido e duas filhas, quando percebeu as chamas.
- Eu saia do chalé e quando fechei a porta, logo a seguir olhei para trás e disse ao meu marido, olha tá pegando fogo! – relata.

A partir daí, contou que começou a gritar por ajuda e a união da vizinhança evitou que o prejuízo fosse ainda maior.
- Foi uma correria. Todos ajudando e com isso conseguimos tirar praticamente todos os móveis para fora da casa – acrescenta.

Antes da chegada do caminhão pipa, vizinhos combatiam o fogo com mangueiras caseiras e baldes d’água. Isso resfriou as paredes da parte não atingida pelas chamas e impediu a propagação do sinistro.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Documento pede a volta de médico ao Posto central

Terça-feira- 18 de novembro
Documento com 2080 assinaturas foi entregue ao secretário de saúde
O vice- prefeito e, também secretário municipal de saúde, Vitor Ivan Rodrigues, foi convidado pela oposição peemedebista a dar explicações sobre a transferência do médico clínico  geral Luiz Fernando Farias do Posto de Saúde Central para o Centro de Atenção Psicossocial- (CAPS), há cerca de três meses.

Vitor Ivan compareceu à sessão ordinária realizada na terça-feira, 18, e, assim como os vereadores de situação já haviam feito, repetiu que o ato administrativo não é uma perseguição política como teima em repetir a bancada do PMDB, que acredita em uma retaliação já que o médico tornou público ser pré- candidato à sucessão municipal.

- Perseguir é uma prática dessa administração que com a transferência de Fernando buscou reduzir o contato diário dele com a comunidade – acusa Cláudio Dias,vereador líder  de bancada.

Na assistência se encontrava Elisabete Oliveira, 60 anos, que, acompanhada do marido Paulo Orlando Oliveira, traziam consigo duas pastas que, em seu interior tinha um pouco mais de suas mil assinaturas integrantes de um abaixo assinado pedindo o retorno do profissional concursado à sua anterior atividade.
- Eu e meu marido nos tratamos com ele. No Posto Central consultamos, fomos encaminhados para exames e quando fomos levar o resultado para ele analisar já não mais se encontrava, o que nos obrigou a pagar uma consulta particular – reclama a responsável pelo documento entregue ao secretário de saúde que justificou a transferência.

- A troca se deu por necessidade diante da falta de profissionais da área no quadro médico da prefeitura, mas, essa situação é temporária e, assim que conseguirmos contratar um psiquiatra, doutor Fernando retornará ao atendimento que realizava até então – garantiu

Ao final da reunião, uma alternativa foi apresentada ao secretário e visa que, ao menos uma vez por semana Fernando preste atendimento à população, ficando os demais dias à disposição do CAPS.
-É um pedido da comunidade que deve ser levado em conta. Vamos analisar- assegurou.