sexta-feira, 29 de maio de 2015

Professora desaparecida pode estar em Piratini

Sexta-feira-29 de maio

A Polícia Civil já ouviu 30 pessoas sobre o desaparecimento de uma professora da Universidade Federal de Pelotas, na Região Sul do Rio Grande do Sul. Cláudia Hartleben, de 47 anos, sumiu depois de chegar em casa, na noite do dia 9 de abril. Três pessoas foram convocadas para testemunhar usando um detector de mentiras, mas duas delas se recusaram a participar do teste.

Na semana passada, cerca de 30 policiais foram até a fazenda do ex-marido de Cláudia em Piratini, a aproximadamente 100 km distante de Pelotas, para cumprir um mandado de busca e apreensão. Ainda segundo a Polícia Civil, marcas de sangue foram achadas no local, mas ainda sem identificação.

A quebra dos sigilos bancário e telefônico da professora já foi feito, mas não há movimentações significativas até o dia do desaparecimento.
Cláudia é professora de biotecnologia da universidade. Desde o desaparecimento, os alunos e amigos têm feito uma corrente para tentar encontrá-la. Imagens da docente são compartilhadas por milhares de pessoas. Uma passeata também já foi feita pelas ruas do Centro da cidade.

Eliza Komninou, amiga de Cláudia, foi a última pessoa a ver a docente antes do sumiço. As duas jantaram juntas na data do desaparecimento.


"A gente falou um pouco sobre tudo, muito normal. Ela saiu daqui feliz. Todo mundo que conhece a Claudia sabe que, se tivesse algo incomodando, ela nunca deixaria de transparecer isso",  conta.



Depois da janta, Cláudia teria ido de carro até em casa. Devido à falta de notícias, no outro dia a amiga foi até a residência. Encontrou, no quarto da professora, a roupa que ela havia vestido durante o jantar.



"As coisas que ela usava, todas na cabeceira da cama. O chinelinho que ela estava, do lado da cama. Aconteceu alguma coisa que fez ela desaparecer", completa.

Nas investigações, a polícia trabalha com diferentes possibilidades, como desaparecimento espontâneo, cárcere privado e homicídio. A hipótese de sequestro está descartada, já que não foi feito nenhum contato telefônico ou pedido de resgate.  A polícia pede que qualquer pessoa que tenha alguma informação sobre a professora entre em contato pelo telefone 197.
Com as informações: Globo. Com 

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Suspeito de matar o irmão se apresentará à polícia

Quinta-Feira- 28 de maio
Delegado Osmar dos Anjos aguarda apresentação do suspeito
Revelado o nome do homem que matou com um tiro o irmão na segunda-feira, 25, na localidade rural do Alto das Palmeiras, quinto distrito da zona rural do município.

Trata-se de Jesus Varlin de oliveira Alves que, com um tiro de revólver de calibre ainda não identificado, tirou a vida de Gilberto de Oliveira Alves, 53 anos, atingido pelo  com um tiro no tórax que transfixou o corpo, o que lhe levou à morte ainda naquela noite enquanto passava por procedimento cirúrgico em um hospital de Pelotas.

Segundo o delegado Osmar dos Anjos que vive seus últimos dias como como substituto de Delegacia de Polícia Civil de Piratini, já que na segunda assume Rafael Vitola, o advogado do apontado como autor do tiro fez contato com a Polícia Civil e assegurou que seu cliente irá se apresentar nas próximas horas.

Pelo pouco que se sabe do crime, o mesmo foi motivado por desentendimentos familiares, pois, asseguram testemunhas, os irmãos já há algum tempo protagonizavam brigas até o desfecho trágico.

Liovaldo Nunes Pinheiro, 42 anos e que residia com a vítima, disse que ela, atingida ao meio dia por um dos disparos, se manteve lúcida durante as quase cinco horas em que aguardou que o socorro fosse acionado.
- O deitamos na cama e ele conversou o tempo todo, apenas reclamava que sentia que estava perdendo a voz. Durante os relatos ele afirmou que foi o irmão que havia atirado nele – contou Pinheiro que, por ter problemas mentais não soube usar o telefone para acionar o SAMU.

Para o delegado dos Anjos, como o suspeito não possuí antecedentes criminais deve ter sua versão para o fato colhida e responder ao inquérito em liberdade.

- A não ser que durante o depoimento ou a investigação surja um fato novo, assim deveremos proceder – finalizou Dos Anjos.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Política: PT decide sair do governo Vilso Agnelo

Terça-feira- 26 de maio
Presidente vislumbra candidatura própria ao governo municipal
A um ano do pleito municipal não deu outra. O apoio sempre muito discutido do Partido dos Trabalhadores ao governo de Vilso Agnelo- (PSDB) teve o final que se esperava diante da ausência de sintonia entre as siglas por terem ideologias diferentes.

Na segunda-feira, 26,  o presidente do PT em nível municipal Adilson de Oliveira, que também ocupava a Secretaria de Habitação, comunicou sua saída e junto com ela colocou à disposição do prefeito Vilso outros quatro cargos de confiança aos quais a sigla tinha direito  pondo fim a parceria.

Segundo Adilson, o pano de fundo da decisão é que o PT tem seu próprio projeto de desenvolvimento político para o município e, como fez questão de salientar, a coligação que hoje governa a cidade não representa nem mesmo em pequenos percentuais essas aspirações.

- Observa-se que a finalidade do nosso partido, por ser ele de esquerda, não se afina com outras siglas de posições e ideologias diferentes por serem de centro ou de direita. Até o momento não tivemos nenhuma tratativa por parte do atual governo que viesse ao encontro do que pensamos-  explanou o presidente.

Adilson entende que o PT tem uma aceitação muito grande em Piratini e embasa isso na eleição do vereador Lourenço de Souza e nas votações obtidas na eleição para o governo do Estado quando Dilma e Tarso além do candidato ao senado foram aqui muito bem votados.
Ao sair do atual governo o presidente entende que o partido fica livre para dar seguimento ao seu projeto futuro para o município, o que passa impreterivelmente pela aspiração à Prefeitura de Piratini.

- Temos sim um lugar especial na comunidade. Saímos sem ressentimentos e entendemos que nossa participação do governo Vilso foi fundamental, mas, a decisão foi tomada com os pés no chão e junto a lideranças estaduais e locais. Se a eleição fosse hoje nós teríamos sim um  candidato próprio à prefeitura – assegura.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Crime: Irmão mata irmão no Alto das Palmeiras

Segunda-feira- 25 de maio
A Polícia Civil investiga um homicídio que chocou a zona rural de Piratini dado às circunstancias em que ocorreu.  Na localidade Alto das Palmeiras, quinto distrito, onde segundo uma testemunha por volta de meio dia da segunda-feira, 25, Gilberto de Oliveira Alves, 53 anos (foto) foi alvejado com um tiro no peito pelo próprio irmão com quem possuía desavenças. .

Mesmo tendo sido atingido ao final da manhã, somente quase quatro horas depois as pessoas que prestaram os primeiros socorros à vítima conseguiram acessar o serviço de atendimento de emergência.

A dificuldade se deu em virtude dos que  assistiram Gilberto enquanto ela agonizava, sofrerem de problemas mentais e não saberem portanto como acionar o SAMU, o que ocorreu por volta das 16h quando um familiar chegou e fez contato.

- O irmão que mora em Pelotas atirou no mínimo umas cinco vezes na direção de Gilberto que, depois de alvejado ainda conseguiu caminhar até a porta de casa e caiu – contou a testemunha.

Com um tiro que transfixou o corpo, Gilberto foi encaminhado para Pelotas onde veio a a falecer enquanto passava por procedimento cirúrgico um pouco antes da meia noite.
A Polícia trabalha para esclarecer as circunstancias do fato.

Assassino de Dorvalino continua foragido da polícia

Segunda-feira- 25 de maio
Crime bárbaro foi cometido na residência da vítima em 2006
Um dos autores de um dos crimes mais bárbaros da história de Piratini pode estar sendo assistido em seu esconderijo por uma enfermeira. A informação é extraoficial, mas, já chegou ao conhecimento dos agentes da Polícia Civil.

Alfredo Jesus Araújo Veleda, o Alfredinho, 35 anos, estaria com ferimentos adquiridos ao pular uma cerca de arame farpado quando fugiu de uma patrulha da Brigada Militar na noite da sexta-feira, 22, nas imediações do Cemitério Municipal.

Alfredinho é um dos autores do homicídio cometido contra Dorvalino Rodrigues da Silva que foi morto com requintes de crueldade em sua residência na Rua Prefeito Alfredo Freitas da Cruz em 2006 e pelo fato foi condenado a 27 anos de prisão.

Mesmo com seu histórico de violência também durante o cumprimento da pena, já que apresentou alterações pelos vários presídios que passou, sendo que em um deles enfiou uma bomba de chimarrão no pescoço de outro apenado, Alfredinho conseguiu rumar para o regime semiaberto  enquanto cumpria pena em Pelotas.

Conforme os registros policiais em 27 de março deste ano ele saiu para procurar emprego e não voltou para pernoitar na cadeia.


A polícia trabalha para elucidar o caso e requisita que informações sobre o paradeiro do foragido assim como sobre a possível enfermeira que estaria o ajudando sejam repassadas mesmo de forma anônima aos telefones 197 e 190.